Peritos discutem no RJ tecnologias para investigação de crimes

Encontro tem aparelho que identifica pegadas e impressões digitais pelo calor. No evento em Búzios, peritos do mundo todo trocam experiências.



Mais de mil peritos de vários países estão em Búzios, no litoral do estado do Rio de Janeiro, discutindo informações e tecnologias novas de investigação de crimes no XXIII CONGRESSO NACIONAL DE CRIMINALÍSTICA
De longe parece coisa de seriado policial, mas é uma mostra do que há de mais moderno em equipamentos de investigação. Um aparelho usa o calor do ambiente para identificar pegadas e impressões digitais. “É importantíssimo, principalmente para saber quantas pessoas tinham na cena do crime e também para captar impressões digitais. Esse equipamento é capaz de fazer essa avaliação”, afirma o perito criminal Severiano Nunes Dias.

E se os peritos encontrarem alguma substância no local do crime? É só colocar em um aparelhinho que em segundos é possível saber do que se trata.

Outro ajuda na reconstituição: consegue projetar imagens em três dimensões. No Brasil, teve papel importante na análise do acidente que matou o candidato à Presidência Eduardo Campos.

Mas a vida de um bom perito vai muito além da tecnologia. Atenção, observação, análise aprofundada do local do crime e das provas: no 23º Congresso Nacional de Criminalística, os peritos trocam experiências e aprendem novas técnicas.

Os peritos costumam dizer que não existe crime perfeito, mas sim uma perícia mal feita. Por isso a criminalística é tão importante. E não só para descobrir os culpados, mas também para evitar que alguém pague por aquilo que não cometeu.

“Esse tipo de análise da criminalística é uma análise comprovada a nível de tribunal, a nível da Justiça e vai me levar a uma prova cabal para quando eu levar alguém a uma condenação”, diz o diretor da Polícia Técnico-Científica do Rio de Janeiro, André Drummond.


FONTE: G1

Publicado por Ana Carolina Dada

Autora do Blog Biomedicina Online e estudante de Biomedicina da FURB-SC .
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário