NOVEMBRO AZUL - CÂNCER DE PRÓSTATA

O mês de Novembro já está quase ai e com ele a conscientização do Câncer de Próstata. Saiba um pouco mais sobre o que causa o câncer, quais os sintomas, diagnóstico, etc.  




Quais são as causas?
As causas ainda não estão claras, mas o tumor começa quando algumas células da próstata sofrem mutações no seu DNA, o que leva a alterações no crescimento e divisão celulares, os quais passam a acontecer de maneira mais rápida do que o que geralmente acontecia.
O acúmulo de células anormais forma um tumor que pode crescer e invadir tecidos próximos. Algumas dessas células podem se separar e disseminar (metástase) para outras partes do corpo.

 Existem fatores de risco?
Os fatores de risco que podem aumentar a chance de tumores na próstata são:

Idade avançada. O risco de câncer de próstata aumenta com a idade. Ele é mais comum acima de 65 anos de idade.
Ser negro. Homens negros têm um risco aumentado de câncer de próstata em relação aos homens de outras raças. Não está claro o porquê.
História familiar de câncer de próstata. Se um homem na sua família já teve ou está com câncer depróstata o seu risco pode estar aumentado.
Obesidade. É mais provável que homens obesos diagnosticados com este tipo de tumor tenham a doença em um estágio mais avançado, o que torna o tratamento mais difícil.

Quais são as complicações do câncer de próstata e do seu tratamento?
Disseminação do tumor. Os tumores de próstata podem se espalhar para tecidos vizinhos através da corrente sanguínea, ou do sistema linfático para os ossos e outros órgãos. Os tumores disseminados para outros órgãos são mais difíceis de tratar que o câncer confinado à glândula.
Incontinência urinária. Tanto o tumor, quanto os medicamentos usados no seu tratamento podem causar incontinência urinária.  O tratamento da incontinência depende do tipo de tumor, da severidade da doença e da probabilidade de melhora no longo prazo. A terapêutica pode incluir medicamentos, colocação de cateteres ou sondas e cirurgia.
Disfunção erétil. A disfunção erétil pode ser resultado do câncer de próstata ou do seu tratamento, incluindo cirurgias, radiações ou tratamentos hormonais. Medicações, dispositivos a vácuo que auxiliam alcançar a ereção e cirurgias estão disponíveis para tratar esta condição.

Quais são os exames e como é feito o diagnóstico?
A maioria dos tumores de próstata é diagnosticada através de exames de rotina. Mas fazer exame em homens que não apresentam sintomas é uma conduta controversa. As organizações médicas ainda não chegaram à conclusão se o rastreamento traz mesmo benefícios. Algumas recomendam os exames preventivos, outras não.
O melhor é discutir com o seu médico se eles devem ou não ser realizados e conhecer os benefícios e os riscos destes exames preventivos. Juntos vocês podem escolher a decisão mais adequada ao seu perfil.

Exames da próstata incluem:
Toque retal: durante a realização do toque retal o médico calça luvas, passa um lubrificante no dedo e o introduz no reto para examinar a próstata. Caso o médico encontre alguma anormalidade na textura, forma ou tamanho da glândula, você pode precisar realizar alguns exames complementares.
PSA (Antígeno prostático específico): uma amostra de sangue é retirada de uma veia no seu braço e analisada. É realizada a avaliação do PSA, uma substância naturalmente produzida pela próstata. É normal uma pequena quantidade de PSA estar presente no sangue. Entretanto, se um nível acima do normal é encontrado, pode ser uma indicação de infecção ou inflamação na próstata (prostatite), aumento da glândula ou câncer.
O toque retal, associado à avaliação do PSA, ajuda a identificar tumores em seus estágios iniciais, mas os estudos ainda não comprovaram se estes exames salvam vidas. Por esta razão, há muitos debates e divergências sobre o rastreamento preventivo para o câncer de próstata.

Publicado por Ana Carolina Dada

Autora do Blog Biomedicina Online e estudante de Biomedicina da FURB-SC .
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário