PATOLOGIA - LÂMINA 21 - INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Conheça um pouco mais da doença que atinge uma grande parte da população.



- O IM, também conhecido como “ataque cardíaco” consiste na morte do músculo cardíaco resultante de isquemia grave prolongada.
- O IM pode ocorrer em qualquer idade, mas sua frequência eleva-se progressivamente com o aumento da idade e na presença de fatores que predispõem à aterosclerose. Cerca de 10% dos infartos do miocárdio ocorrem em pessoas com menos de 40 anos, e 45% ocorrem em pessoas com menos de 65 anos.
- Além disso, com exceção daquelas que possuem uma condição que predispõe à aterosclerose, as mulheres estão grandemente protegidas contra o IM durante o período reprodutivo da vida. Entretanto, a diminuição do estrogênio que se segue à menopausa pode permitir o rápido desenvolvimento da doença arterial coronariana (DAC), e a CI é a principal causa de morte entre as mulheres idosas. A terapia de reposição hormonal pós-menopausa não protege as mulheres contra aterosclerose e CI.
- Resposta do Miocárdio. A obstrução da artéria coronariana compromete o suprimento sanguíneo a uma região do miocárdio provocando isquemia, disfunção do miocárdio e potencial morte celular. A região anatômica irrigada por essa artéria é denominada de área de risco. O prognóstico depende predominantemente da gravidade e duração da privação do fluxo.

- A consequência bioquímica imediata da isquemia do miocárdio é a cessação do metabolismo aeróbico em um período de segundos, levando à produção inadequada de fosfatos de alta energia. Por causa da extrema dependência da função do miocárdio do oxigênio, a isquemia grave induz a perda de contratilidade dentro de 60 segundos. Esse fato pode precipitar o aparecimento de uma insuficiência cardíaca aguda bem antes do início da morte das células do miocárdio.
 - O aspecto macroscópico e microscópico de uma área de infarto à necropsia depende da duração da sobrevida do paciente após o IM. As áreas lesadas passam por uma seqüência progressiva de alterações morfológicas que consistem em típica necrose isquêmica por coagulação (o mecanismo predominante de morte celular no IM, embora também ocorra apoptose), seguida de inflamação e reparo que se assemelham muito as respostas teciduais a lesão em outros locais.
- A identificação precoce das áreas de infarto agudo do miocárdio pode ser difícil, particularmente quando a morte ocorre poucas horas apos o inicio dos sintomas. As áreas de infarto do miocárdio com menos de 12 horas geralmente não são visíveis ao exame macroscópico.
- Modificação da Área de Infarto por meio da Reperfusão. O modo mais eficaz de “salvar” um miocárdio isquêmico ameaçado por um infarto consiste em restaurar a perfusão tecidual o mais rápido possível, um processo conhecido como reperfusão.
- A avaliação laboratorial do IM baseia-se na avaliação dos níveis sanguíneos de proteínas que vazaram dos miócitos que morreram; essas moléculas incluem a mio globina, troponinas T e I cardíacas e fração MB da creatina-cinase (CK-MB), lactato desidrogenase e muitas outras. O diagnóstico da lesão miocárdica é estabelecido quando os níveis sanguíneos desses biomarcadores cardíacos estão aumentados no curso clínico da isquemia aguda.
- As troponinas I e T não são normalmente detectadas na circulação. Após o IM, os níveis de ambas começam a aumentar em 2 a 4 horas e atingem um pico em 48 horas.
- A CK-MB começa a elevar-se dentro de 2 a 4 horas do início do IM, e os picos são atingidos em cerca de 24 horas, retornando ao normal em aproximadamente 72 horas.
- A ausência de alteração dos níveis de CK-MB e troponina após 2 dias exclui a possibilidade de diagnóstico de IM tyle='font-size:10.0pt;mso-bidi-font-family: Minion-Regular'>do IM baseia-se na avaliação dos níveis sanguíneos de proteínas que vazaram dos miócitos que morreram; essas moléculas incluem a mio globina, troponinas T e I cardíacas e fração MB da creatina-cinase (CK-MB), lactato desidrogenase e muitas outras (Fig. 12-18). 56 O diagnóstico da lesão miocárdica é estabelecido quando os níveis sanguíneos desses biomarcadores cardíacos estão aumentados no curso clínico da isquemia aguda.


  • Infarto que causa morte celular causando fibrose
  • Regiões periféricas hemorrágicas – extravasamento do sangue
  • Miocardiócitos houve a perda no núcleo devido a necrose coagulativa 


    • Células do processo inflamatório invadem tecido para reverter o processo


    Publicado por Ana Carolina Dada

    Autora do Blog Biomedicina Online e estudante de Biomedicina da FURB-SC .
      Blogger Comment
      Facebook Comment

    0 comentários :

    Postar um comentário